Holanda: a venda de cannabis a turistas nos 'cafés' será proibida

A política de tolerância às drogas leves é um dos muitos atrativos que a Holanda oferece aos turistas, além de suas paisagens e gastronomia. A regulamentação governamental estabelece que as “cafeterias” podem ter até 500 gramas no total e cada pessoa tem a possibilidade de possuir menos de cinco gramas de cannabis.

Mas os turistas que desejam comprar a erva podem em breve acordar desse sonho devido a um esquema piloto do governo holandês que visa reduzir o turismo relacionado às drogas.

“Estamos desenvolvendo um sistema pelo qual pessoas não registradas na Holanda não poderão entrar nas 'cafeterias', disse o porta-voz do Ministério da Justiça, Ivo Hommes. Um projeto piloto terá início em Maastricht, no sul da Holanda, na fronteira entre a Alemanha e a Bélgica, que atrai o maior número de turistas na Holanda depois de Amsterdã.

A maioria dos franceses, alemães e belgas passa curtos períodos na cidade, incluindo cerca de 1,5 milhão de turistas em busca de drogas. Cerca de 400.000 fumantes de maconha vivem na Holanda, onde, para desgosto dos países vizinhos, podem comprar e fumar a droga em público.

O governo de centro-direita quer reprimir o turismo de drogas, em parte sob pressão de seus parceiros europeus, e também coibir o cultivo ilegal de plantas de cânhamo e a venda de drogas leves realizada por grupos criminosos.

O turista que só tem interesse em desfrutar livremente da grama deve então procurar outros destinos.

Você quer reservar um guia?

O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1.   Rosas verdes dito

    É curioso ver como um governo conservador, na pior crise em oitenta anos, tenta acabar com um golpe de misericórdia com uma renda não desprezível para seus cidadãos. Além disso, bem quando a Califórnia está prestes a legalizar, precisamente por razões econômicas.

    Duplique contra o simples que esta proposta não prospera. Não esqueçamos que a gestão das coffeeshops é transferida para os municípios, que terão a última palavra.

    Ah, e não é um governo de centro-direita, dos holandeses, mas de direita pura e dura. E com membros da extrema direita em seu meio.