Lendas de Sevilha

Sevilha é um destino ideal para os amantes da cultura, além de uma infinidade de planos que você pode fazer na cidade, suas histórias e lendas são tão numerosas quanto belas e surpreendentes. Observe que suas origens remontam pelo menos à cidade romana de Hispalis Fundado por Júlio César no século XNUMX aC.

Como se não bastasse, a vila andaluza gozou de enorme força na época medieval, quando foi repovoada pelos aristocratas castelhanos após ser reconquistada por Fernando III o Santo em 1248. E ainda mais na época do Austrias, quando se tornou o primeiro porto comercial com o Novo Mundo e o centro econômico do império espanhol. Uma história tão rica necessariamente deu origem a numerosas histórias míticas. Portanto, se você quiser saber o lendas de Sevilha, vamos contar a você alguns dos mais interessantes.

A história da bela Susona

O passado violento da cidade aparece nesta história que faz parte das lendas de Sevilha. Na Idade Média, houve um ataque ao bairro judeu de Sevilha e, em resposta, os judeus conspiraram com os mouros para obter o controle da cidade.

Para organizar o plano, eles se encontraram na casa do banqueiro Diego Susón, cuja filha era famosa por sua beleza em toda a região. Se chamava Susana Ben Susón e ele tinha estabelecido relações secretas com um jovem cavalheiro cristão.

Desde que a conspiração foi planejada em sua casa, ele sabia em primeira mão no que consistiria. O plano era assassinar os principais aristocratas da cidade. E ela, temendo pela vida do amante, foi contar-lhe o que estava acontecendo. Ele não percebeu que, ao fazer isso, colocaria sua família e todos os judeus sevilhanos em perigo.

O senhor não demorou muito para alertar as autoridades da conspiração, que ordenaram a prisão dos líderes do complô, incluindo o pai de Susona. Eles foram enforcados alguns dias em Tablada, um lugar onde os piores criminosos da cidade foram executados.

Susona

Susona representada em azulejo no parque María Luisa em Sevilha

A jovem foi rejeitada por seu povo, que a considerava uma traidora, e também pelo cavalheiro com quem ela mantinha relações. E, a partir daqui, a lenda oferece duas versões. De acordo com o primeiro, ele pediu ajuda ao arcipreste da catedral, Reginaldo de toledo, que a absolveu e interveio para que ela se retirasse para um convento. Por outro lado, a segunda diz que teve dois filhos com um bispo e, após ser repudiada por ele, tornou-se amante de um empresário sevilhano.

No entanto, a lenda é unificada novamente em seu final. Quando Susona morreu, seu testamento foi aberto. Ele disse que desejava isso sua cabeça foi cortada e colocada na porta de sua casa como um testemunho de sua miséria. Você ainda pode ver hoje, se você passar pelo rua da morte, um ladrilho com uma caveira em que teria sido a casa de Susona. Na verdade, essa rota também é conhecida pelo nome da garota.

Doña María Coronel e o óleo fervente

Esta lenda sevilhana tem muitos ingredientes para uma novela, especialmente o amor e o desejo de vingança. Além disso, remete-nos aos tempos da reconquista da cidade. Sra. Maria Coronel Ela era uma castelhana filha de Sr. Alfonso Fernández Coronel, que era um apoiador de Alfonso XI de Castela. Ele também se casou don Juan de la Cerda, que por sua vez militou entre os defensores de seu filho, Henry II, quando ele enfrentou seu meio-irmão Pedro I para a sucessão ao trono.

Por esta razão, este último assassinou Don Juan de la Cerda e confiscou todos os seus bens, deixando sua viúva em ruínas. Pedro I não a conhecia pessoalmente, mas quando a viu, estava Apaixonado por ela. No entanto, Dona María Coronel não estava disposta a se relacionar com a pessoa que ordenou o assassinato de seu marido e entrou no convento sevilhano de Santa Clara.

Nem mesmo ela conseguiu que Pedro I, também chamado de "o Cruel", desistisse de sua tentativa de tê-la como concubina. Até que um dia, farta de seu perseguidor régio, ela entrou na cozinha do convento e óleo fervente foi derramado no rosto para desfigurá-lo. Conseguiu assim fazer com que Pedro I a deixasse em paz.

O convento de Santa Inés

Convento de Santa Inés

Ainda pôde presenciar a morte do monarca nas mãos de seu meio-irmão Enrique II, que devolveu os bens confiscados às irmãs Coronel por terem permanecido fiéis à sua causa. Assim, essas duas senhoras foram capazes de fundar o convento de Santa Inés no palácio que fora de seu pai. A primeira abadessa seria, precisamente, Dona María Coronel, falecida por volta de 1411.

A cabeça de D. Pedro I, figura proeminente nas lendas de Sevilha

Precisamente o cruel monarca castelhano também estrela em muitas outras lendas de Sevilha. Por exemplo, aquele que vamos narrar para você. Durante uma de suas caminhadas noturnas pela cidade, Pedro se encontrou com Filho do conde Niebla, família que apoiou Henry II, como dissemos a você seu meio-irmão. As espadas não demoraram a sair e o Cruel matou o outro.

No entanto, o duelo acordou uma velha que ela espiou com uma lamparina e, assustada ao reconhecer o assassino, voltou a se trancar em casa, não sem antes ter derrubado a lamparina que carregava. O hipócrita Pedro prometeu à família da vítima que Eu iria cortar a cabeça do culpado de sua morte e expô-lo em público.

Sabendo que tinha sido visto pela velha, chamou-a à sua presença para perguntar-lhe a identidade do criminoso. A mulher colocou um espelho na frente do rei e disse "você está com o assassino aí." Então, Dom Pedro mandou cortar a cabeça uma das estátuas de mármore que o homenagearam e que ele foi colocado em um nicho de madeira. Também ordenou que a caixa fosse deixada na mesma rua onde ocorrera o ato violento, mas que não fosse aberta até sua morte.

Ainda hoje dá para ver aquele busto na rua chamado, justamente, Chefe do rei dom Pedro. E, para lembrar esse fato lendário, o oposto, onde a testemunha viveu, é chamado Rua Candil.

Chefe do rei dom Pedro

A cabeça do rei D. Pedro

O homem de pedra

Continuamos na Idade Média a falar sobre esta outra lenda de Sevilha. Conta que, no século XNUMX, havia uma taverna em Rua cara boa, pertencente ao bairro de San Lorenzo, onde pessoas de todos os tipos pararam.

Então, era costume que, como o Santíssimo Sacramento, as pessoas se ajoelharam. Quando um grupo de amigos no bar o ouviu se aproximar, eles saíram e se ajoelharam enquanto a procissão passava. Todos menos um. O chamado Mateo «el Rubio» ele queria ser o protagonista e, acusando seus amigos de serem abençoados, disse em voz alta que não se ajoelhava.

Bem naquele momento, um raio divino caiu sobre o infeliz Mateo transformando seu corpo em pedra. Ainda hoje dá para ver o torso de um homem naquele material gasto com o passar do tempo na rua Buen Rostro, que desde então se chama, justamente, Homem de pedra.

A história do Cachorro, um clássico entre as lendas sevilhanas

Se já visitou a cidade andaluza sabe muito bem a importância que tem para os seus habitantes. Cachorrinho triana, nome com o qual eles popularmente batizaram o Cristo da Vencimento. A cada Semana Santa, a sua confraria o leva em procissão desde a basílica, rodeado por um ambiente imponente.

Não nos pode surpreender, portanto, que entre as lendas de Sevilha existam várias que têm esta figura como protagonista. Um dos mais populares é aquele sobre o qual falaremos a seguir.

Diz que um menino cigano chamado precisamente Cachorro Eu passava pela ponte Barcas todos os dias de Triana, então um subúrbio da cidade, a Sevilha. Uma das pessoas que o viu fazer aquele passeio começou a suspeitar que ele estava indo visitar sua própria esposa. Ou seja, ela tinha relações carnais com ele.

O cachorro

O Cristo da Expiração, conhecido como "o cachorrinho"

Um dia, ele o esperou na venda da Vela e o esfaqueou sete vezes. Várias pessoas atenderam aos gritos do menino e não puderam evitar o ataque. Entre eles estava o escultor Francisco Ruiz Gijón, que no final seria o autor da figura do Cristo da Expiração.

Diz-se que ele, chocado com a dor do jovem, foi inspirado por seu rosto para esculpir o do famoso Cristo. Aliás, ele não ia visitar a esposa do assassino, mas uma irmã que ninguém conhecia, então seus encontros eram secretos.

A lenda da Calle Sierpes

Esta rua central é uma das mais famosas de Sevilha, mas nem todos os habitantes da cidade sabem a razão do seu nome, que também se deve a uma lenda sevilhana. Dizem que, lá no século XNUMX, no que então se chamava Rua Espalderos As crianças começaram a desaparecer sem motivo aparente.

Eles não foram ouvidos novamente e esta situação dramática causou pânico entre os habitantes da área. O então regente de Sevilha, Alfonso de Cárdenas, não sabia o que fazer. Até que um prisioneiro se ofereceu para resolver o mistério em troca de sua liberdade.

Era Melchor de Quintana e ele estava na prisão por ter participado de uma rebelião contra o rei. O regente aceitou e o condenado o conduziu ao local onde havia um cobra enorme cerca de seis metros de comprimento. Ele tinha uma adaga nele e estava morto. Foi o próprio Melchior quem a confrontou e a matou.

Rua Sierpes

Rua Sierpes

A serpente ou serpente foi exibida na rua Espalderos para tranquilizar seus habitantes. Diz-se que vieram ver de todos os bairros da cidade e, desde então, a rua passou a se chamar dos Sierpes.

Em conclusão, mostramos-lhe as lendas mais populares de Sevilha. Existem muitos outros como o Cristo do Grande Poder, a de Santa Librada ou aquele do Santos Justa e Rufina. Mas essas histórias ficarão para outro momento. Se você está na cidade, aproveite. Nós deixamos você neste link uma lista com as excursões que você pode fazer a partir de Sevilha caso tenha tempo para explorar os arredores, não se arrependerá!

 

Você quer reservar um guia?

O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*