O que ver em Aranjuez

Aranjuez É um ótimo destino turístico se você está pensando em visitar a Espanha. Muito perto de Madrid, apenas 47 quilómetros, você pode se aproximar para conhecer seus tesouros arquitetônicos e culturais. Assenta num vale, na confluência dos rios Jarama e Tejo, rodeado por belas colinas e planaltos.

Aranjuez é muito verde, foi povoada há milhares de anos, embora só na Idade Média e com a Reconquista se tornou mais importante, e acabou por ser um local de relaxamento e descanso para a monarquia. Vamos ver o que ver em Aranjuez.

O que ver em Aranjuez

Não podemos deixar de começar com o Palácio Real que foi construído na antiga casa dos professores do Ordem de santiago. Esta ordem religiosa e militar surgiu no século XII no reino de Leão, com o objetivo de proteger os peregrinos do Caminho de Santiago e expulsar os muçulmanos de toda a península. Mais tarde foi suprimido, restaurado e suprimido novamente, e hoje sobrevive como uma organização nobre honorária e religiosa.

Bem, o Palácio Real É estilo renascentista., com tijolos e calcário que a tornam bicolor, neste ponto algo característico de toda a cidade. O projeto consistiu em várias etapas e a primeira foi sob o reinado de Felipe II, no século XVI. Mais tarde, sob Felipe V, no século XVIII, foram realizadas as seguintes etapas. O Palácio Real aberto de terça a domingo, das 10h às 6h entre outubro e março e das 10h às 7h. entre abril e setembro.

O Sítio Real também tem belos jardins de diferentes estilos. Por exemplo, existe o jardim do rei, com muitas esculturas de estilo romano, o Jardim da Ilha, com fontes, o Jardim Parterre estilo francês e Jardim do príncipe que é o maior de todos e é de estilo paisagístico, com suas fontes, ilhas, uma lagoa de estilo chinês e um pequeno palácio de prazer, a Casa del Labrador. Há também o Jardim Elizabeth II, em uso público para sempre.

Aranjuez também possui uma grande área de terra com passeios arborizados, bosques, pomares e prados e você ainda pode ver os importantes obras de engenharia hidráulica que foram feitas na época para obter a água para a irrigação de todos esses lugares. Falamos de valas, canais e barragens que, para além da rega, na altura permitiam também espetáculos de água para os nobres, ou para permitir a navegabilidade do Tejo, filtrar a água e ativar os moinhos...

A estrutura dos passeios foi pensada antecipadamente, pelo que também foram concebidos praças, rotundas e ruas. A primeira ordenação foi na zona do Pico Tajo e mais tarde ao longo do rio, embora na margem norte não houvesse tantas mãos humanas envolvidas e a vegetação típica ainda hoje pode ser vista.

La Plaza de San Antonio é uma beleza de meados do século XVIII e foi construída para conectar o complexo do palácio à nova vila. Os edifícios circundantes são um tesouro: por exemplo, o Igreja de San Antonio do mesmo período, o Casa dos Cavaleiros e Ofícios dos séculos XVI e XVII, onde residiam homens da corte, o Casa das Crianças ou também o Jardim de Isabel II que nomeamos anteriormente. o Fonte Mariblanca ele também se destaca em uma extremidade.

obviamente também existem vários edifícios dedicados aos nobres. A coroa mandou construir residências para seus cortesãos e empregados, mas também há edifícios construídos por profissionais e comerciantes. Como destino de descanso real, os reis eram aqui acompanhados pela sua corte, pelo que estas pessoas que faziam parte da comitiva tiveram de ser acomodadas. Por exemplo, existe o Palácio Godoy, Palácio dos Duques de Osuna, Palácio de Medinaceli, Casa do Duque de Acos ou Palácio Silvela.

Aos edifícios nobres juntam-se os edifícios civis entre os últimos podemos citar o Casa do Governador, a Casa de Diego Agudo de Cevallos, o Parador del Rey ou a Casa de pessoal. Além disso, existem edifícios para uso da população em geral, como o Hospital San Carlos, a Plaza de Toros, o Mercado de Abastos, a estação de trem construído já no século XNUMX ou o Teatro Real Carlos III.

A estes edifícios nobres e civis juntam-se os edifícios religiosos como o Igreja de Alpajés, a de San Antonio, o Convento de San Pascual. Por fim, pensando no abastecimento da população de Aranjuez, durante o reinado de Carlos III, iniciou-se a exploração agrícola: há vinhas, oliveiras, cereais, árvores de fruto e todas as construções necessárias para o uso, manutenção e operação.

O elegante Garagem da Rainha Mãe Eles foram construídos no século 1985 e estão ao lado da Plaza de Abastos. Abrigava as cavalariças, quartos e garagens de Bárbara de Bragança, esposa de D. Fernando VI. Eles foram incendiados sob o domínio de Napoleão e foram restaurados até que em XNUMX encontraram seu destino final: Centro Cultural Isabel de Farnese com um arquivo, uma escola de música e uma biblioteca.

El Teatro Real Carlos III É do século XVIII, era um teatro e um cinema e fechou em 1989, para reabrir em 2014. Pode vir ver. Aranjuez tem museus? Claro, há o Museu das Touradas dentro da praça de touros, e o Museu da Barca Real, dentro do Jardín del Príncipe, junto ao cais. aqui você vai ver barcos de recreio reais são um tesouro. Algo como gôndolas: lindas, decoradas, refinadas, com relevos e pinturas.

Aqui o barco mais antigo e elegante é o de Carlos II, do século XVII, bem dourado e real. Há também a barca de Carlos IV, do século XIX, construída em Cartagena e com o brasão real na popa. O Museu aberto de terça a domingo das 10h às 6h e o bilhete é adquirido na bilheteira do Palácio Real para 9 euros. Se for numa quarta ou domingo a partir das 3h não paga entrada, o mesmo nos dias 18 e 12 de maio.

Como dissemos no início Aranjuez fica muito perto de Madrid para que você possa ir por conta própria. Obviamente, você também pode se inscrever para um tour que dura duas horas e outra opção um pouco mais longa, com duração de duas horas e meia. E uma terceira opção muito boa é fazer um passeio de barco pelo Tejo.

Finalmente, Aranjuez também celebra festivais que você pode desfrutar: em maio o Feira de Artesanato, Festival de Música Tradicional Folclórica de Aranjuez, a feira de carros usados ​​e seminovos, a Dia de Santo Isidrp Labrador, o Dia de São Fernando, o santo padroeiro da cidade e o Festival de Música Antiga. Depois há a Feira do Livro, a Festas do Motim, Carnaval, Semana Santa...

Você quer reservar um guia?

O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*