O que ver em Okinawa

Uma viagem completa para Japão não pode ser pensado sem saber Okinawa. É uma das prefeituras que compõem o país, mas está cerca de três horas de avião de Tóquio, mais perto de Taiwan do que das principais ilhas do Japão.

Okinawa é um destino tropical com mares turquesa e praias de areia branca, mas, ao mesmo tempo, histórias trágicas da Segunda Guerra Mundial e da emigração massiva pós-conflito pesam sobre suas costas. Hoje, na Actualidad Viajes, o que ver em Okinawa.

Okinawa

Sempre Era o reino de Kyukyu, um reino independente que em algum momento do século XVII prestou homenagem ao imperador chinês, mas em 1609 a conquista japonesa começou então o tributo passou de mãos e foi na época do imperador Meiji, no final do século XNUMX, que o Japão os anexou aos seus domínios oficialmente. Obviamente, a China não queria saber de nada, mas com os Estados Unidos como mediador, o que você acha que aconteceria? O reino foi acabado e Okinawa e o resto das ilhas tornaram-se japoneses.

Depois da guerra, que para esta região da ilha era terrivelmente difícil, o América passou a administrar tudo e eles foram entregues ao governo japonês em momentos diferentes. A transferência total só ocorreria na década de 70Embora ainda existam bases americanas hoje que os okinawanos continuam a rejeitar.

O que ver em Okinawa

Primeiro você tem que dizer isso é um arquipélago e que existem várias ilhas para visitar, mas que existe a ilha okinawa Mesmo o que é o maior e mais populoso da prefeitura, além de ser o centro de transporte.

A capital da prefeitura é a cidade de Naha e é onde estão localizadas as bases americanas. A parte mais urbanizada da cidade fica no centro da ilha, mas a extremidade sul ainda é bastante acidentada e menos povoada, enquanto a parte norte preserva as colinas arborizadas e algumas vilas de pescadores.

Eu estive lá em 2019, em minha última viagem ao Japão pré-pandêmico, e devo dizer que não gostei muito da cidade de Naha. Exceto pela rua principal não há muito para ver e se você se deslocar um pouco de ônibus, procurando por palhaços por perto, você verá que a cidade é um tanto triste e não está em tão bom estado quanto as que você vê no centro do Japão.

Chegamos de avião do aeroporto de Haneda e do aeroporto local pegamos o monotrilho que, embora não faça uma grande viagem, aproxima você dos pontos mais importantes do centro de Naha. Nosso hotel ficava a cerca de 400 metros de uma estação e embora pensássemos que as lojas estivessem fechadas no fim de semana, não, elas permaneciam assim todos os dias que ficávamos, então parecia mais um setor fantasma do que uma cidade viva.

Estávamos procurando um hotel perto de a avenida principal, a Kokusaidori ou Calle Internacional, como seria a tradução. Tem vergonha dois quilômetros de comprimento e cruza o centro de Naha começando mais ou menos na estação central de ônibus e na prefeitura.

Possui lojas de todos os tipos, bares, hotéis e restaurantes dos dois lados, tudo no estilo de uma cidade praiana. Alguns enormes e espaçosos também abertos galerias cobertas cheio de lojas que por sua vez se abrem em várias outras filiais, e aí você pode se perder um pouco procurando pechinchas ou fugindo do sol: Mutsumidori e Hondori.

E é que se você for a Naha no verão, morrerá de calor. Estávamos literalmente pensando no mar, mas está terrivelmente quente. Também fomos à procura de noite, mas há realmente muito pouco. Pensamos que, por ser um clima tropical, iríamos encontrar lojas e restaurantes abertos até mais tarde, mas não, feche tudo mais cedo e à meia-noite você pode ir dormir.

Na verdade o movimento concentra-se em 200 ou 300 metros, não muito mais, a "vida" começa a declinar quanto mais se anda e embora haja novos prédios comerciais parece que as lojas são as mesmas dos anos 70 ou 80. À tarde, quando as pessoas voltam dos passeios e da praia, há mais gente e é hora de comprar presentes ou tomar um sorvete. a marca local mais popular é Selo azul e é muito gostoso. Também pode experimentar a carne local, existem muitos churrascos que a promovem.

Sem dúvida o que de melhor a ilha principal oferece em termos de turismo é o Aquário Churaumi, é o melhor aquário do país e depois de ter sido fechado por muitos meses devido ao vírus corona, abriu novamente em outubro passado. O local data dos anos 70, mas em 2002 foi totalmente reformulado. O que é melhor? O enorme Tanque Kuroshio, um dos maiores do mundo. Seu nome deve-se à corrente Kuroshio, responsável pela bela variedade de flora e fauna marinha das ilhas.

Dentro do tanque existe uma grande variedade de espécies, incluindo tubarões-baleia e arraias. Jeitoso! O aquário tem três pisos, sendo a entrada no terceiro piso e a saída no primeiro. Há uma piscina onde você pode tocar em peixes e ver uma bela exibição de corais vivos. O percurso que o local propõe leva-o até ao Tanque Kuroshio e é aqui que fica a maior parte da visita porque as vistas são excelentes e com sorte poderá ver como se alimentam os peixes. Há também um teatro-cinema com projeção sobre a vida marinha das ilhas.

A verdade é que o aquário é o que há de melhor no aquário, mas se gosta de vida marinha o resto também não o decepcionará. Não há falta de piscinas externas com golfinhos, tartarugas marinhas e peixes-boi. Como você chega aqui? É melhor alugar um carro e ir por conta própria porque fica a 90 quilômetros do centro de Naha, mas você também pode ir de ônibuss, usando o Okinawa Airport Shuttle ou Yanbaru Express ou o ônibus 117. A admissão custa 1880 ienes.

Gosto muito de história e uma das coisas que sempre me atraiu no Japão é sua história invasiva e sua participação na Segunda Guerra Mundial, então meus interesses estão lá. Então, eu visitei o Memorial de guerra. Okianawa foi palco de as batalhas mais sangrentas da chamada Guerra do Pacífico e estima-se que cerca de 200 mil pessoas, metade civis, mais 12.500 americanos, morreram nos confrontos que duraram de abril a junho de '45.

A memória da guerra é pesada e está sempre presente, por isso existem museus, memoriais e monumentos por todo o lado. Na verdade, demorou muito para que o imperador pudesse colocar os pés na ilha porque as pessoas nem queriam vê-lo. O memorial principal é o Parque Memorial da Paz que fica no extremo sul da ilha, com o museu fornecendo informações sobre a guerra e a batalha em si.

Há também uma grande coleção de placas de pedra com os nomes de soldados e civis mortos, incluindo taiwaneses e coreanos que foram trabalhadores forçados ou escravos dos japoneses. A poucos quilômetros de distância está o Monumento Himeyuri uma reminiscência de alunas do ensino médio que trabalhavam no exército, em hospitais escavados na rocha nas colinas em péssimas condições e que, em sua maioria, morreram.

Nesse sentido, eu recomendo fortemente visite o Quartel Subterrâneo da Marinha Japonesa. Você pode chegar lá de ônibus, pegando no Terminal Rodoviário de Naha. Este lugar é subterrâneo e consiste em um rede de túneis de vários metros, com passagens, escadas e salas de diferentes tamanhos, que serviu de quartel-general da marinha japonesa durante a guerra.

Poderá ver o espaço onde estava o gerador de energia, outros onde funcionavam escritórios, escadas que ligam corredores a diferentes alturas e uma sala cujas paredes guardam os vestígios dos estilhaços com que alguns soldados decidiram suicidar-se perante a iminência da derrota. É muito mobilizador andar por aqui. Tivemos sorte e éramos apenas quatro pessoas que cruzamos no percurso. Não estava nem um pouco quente, mas não podíamos deixar de imaginar como centenas de soldados coexistiram naqueles corredores apertados.

A entrada custa 600 ienes e está aberta diariamente das 9h às 5h. Vale a pena. Outro site que é clássico em Okinawa é o Castelo de Shuri. Infelizmente, ele pegou fogo logo após nossa visita em outubro de 2019, mas há planos para a reconstrução ser concluída em 2026. Enquanto isso, você pode ir e ver como o site está sendo trabalhado. Infelizmente isso acontece muito com edifícios históricos no Japão, eles são feitos de madeira e pedra, então é muito difícil encontrar um edifício original e realmente antigo.

Shuri é o nome da capital original do Reino de Ryuku e o castelo está na lista da UNESCO de Património Mundial. Outro castelo em ruínas é o Castelo Nakagusuku e também há o Jardins de Shikinaen, que eram os jardins reais ou Tamaudun, o mausoléu real. Para conhecer a cultura local você pode visitar Okinawa World ou Ryukyu Mura. Se você gosta de arte, há o Museu da Prefeitura de Okinawa; se você gosta de cerâmica, pode caminhar e fazer compras no Distrito de Tsuboya.

Aldeia Americana É um centro comercial próximo às bases americanas, mas se você não estiver em Okinawa para ver americanos melhores, não o visite. Se você gosta de abacaxi, conto que a Okianawa tem plantações dessa fruta e é uma grande produtora. Eles são super doces e suculentos! o Parque do Abacaxi de Nago É o mais. E como voce bem sabe, Japoneses são grandes bebedores de cervejasim a marca local é Órion. Você pode até visitar a destilaria em um passeio muito divertido.

A verdade é que a melhor coisa que você pode fazer na ilha principal de Okinawa é ficar em Naha, dar uns dias à cidade e alugar um carro para passear pela ilha, caso não esteja passando para outra ilha mais tropical. Com o carro tem liberdade de movimentos e pode ir às ilhotas que estão ligadas por pontes e que são muito bonitas. No nosso caso, pegamos um avião para Miyakoshima, uma ilha linda e tropical onde passamos cinco dias lindos… muito calor.

Você quer reservar um guia?

O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*