Os semáforos controlarão o acesso à Praça de São Marcos a partir de 2018

Veneza de gôndola

A Praça de São Marcos é, com certeza, o símbolo histórico de Veneza. Todos os anos, cerca de 40 milhões de pessoas visitam a cidade. Um fluxo intenso que muitos venezianos temem terá repercussões negativas nos monumentos mais emblemáticos da cidade. Por este motivo, o governo local decidiu meses atrás controlar o acesso a esta bela praça em 2018, adotando vários meios.

A primeira delas parece ser a instalação de semáforos que controlam o acesso à Praça San Marcos. O objetivo da Câmara Municipal não é fechar a passagem para a icónica praça, mas sim garantir a segurança dos turistas e habitantes da cidade.

Quais são essas medidas?

As outras medidas seriam estabelecer um horário de acesso à Plaza de San Marcos, por exemplo, a partir das 10h. a partir das 18h, faça a reserva com antecedência para entrar na praça ou fechar a área em épocas de maior movimento, como finais de semana e meses de julho e agosto.

No momento está previsto começar com a instalação dos semáforos e estudar o funcionamento da iniciativa. Quando a praça estiver cheia de turistas, um sinal vermelho acenderá e os demais visitantes terão que esperar até que o semáforo fique verde, o que indica que a praça foi esvaziada. A contagem de pessoas será feita por câmeras de vídeo instaladas na praça e um programa de computador dirá em tempo real quantas pessoas estão lá dentro.

A Prefeitura de Veneza pretende coletar os dados instantaneamente e veiculá-los pela internet para que os turistas possam verificar a quantidade de pessoas na praça. Esta medida não afetará os residentes ou trabalhadores da zona, uma vez que terão um cartão próprio que facilitará a mobilidade.

Este novo regulamento complementa a taxa turística que se aplica à visita a Veneza e que varia consoante a época, a zona em que se encontra o hotel e a sua categoria. Por exemplo, na ilha de Veneza, é cobrado 1 euro por estrela por noite na alta temporada.

Por que essa decisão foi tomada?

O esboço do novo regulamento vem depois que a Unesco deu o alarme sobre a deterioração de Veneza, que é considerada Patrimônio da Humanidade desde 1987.

Por um lado, Veneza está afundando aos poucos e o fato de milhões e milhões de turistas passarem por suas ruas todos os dias, talvez seja mais do que um lugar tão antigo quanto este possa suportar. Por outro lado, os moradores há muito protestam contra o que consideram uma invasão de turistas, cujo comportamento às vezes é desrespeitoso, pois há quem se banhe no Canal Grande ou suja a cidade dando uma imagem ruim dela.

De fato, em julho passado cerca de 2.500 moradores manifestaram-se no centro histórico de fartos do que consideram um desprezo por sua cidade. Queriam assim chamar a atenção da UNESCO e da Câmara Municipal para evitar que Veneza se tornasse uma atração turística em vez de uma cidade habitável. E é que a cada dia Veneza tem mais turistas e menos habitantes. A título de curiosidade, em 2017 eram apenas 55.000 habitantes, contra 137.150 no início dos anos 60.

Como é a Plaza de San Marcos?

A Praça de São Marcos é o coração de Veneza e uma das praças mais ilustres do mundo. Situa-se de um lado do Grande Canal e nele podemos ver vários monumentos e locais de grande interesse histórico-cultural como o Palácio Ducal, a Torre do Sino ou a Basílica, um dos templos mais fotografados do mundo.

Desde as suas origens, a Praça San Marcos tem sido uma área muito importante e estratégica da cidade. Não só do ponto de vista político (já que foi projetado e construído como uma extensão do Palácio Ducal), mas também culturalmente, já que muitas atividades como mercados, procissões, espetáculos teatrais ou desfiles de carnaval foram realizados ali.

É também aqui que centenas de pombos vagueiam livremente. Eles estão tão acostumados com a presença humana que não seria surpreendente se eles se aproximassem de você para pedir um pouco de comida.

Você quer reservar um guia?

O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*